Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Diabetes Controlada
 


Diabetes Controlada

AVC e Diabetes

"Entre 75% e 80% das internações hospitalares e mortes em pessoas diabéticas é devido a doença cardiovascular. A incidência da doença aterosclerótica, maior em pacientes diabéticos do que na população em geral", explicou à NAÇÃO o doutor Ricardo Rei, da Fundação Cardiológica Argentina.

"Os pacientes diabéticos têm de 2 a 4 vezes mais chances de apresentar uma doença coronariana ou AVC, e muitos deles desenvolvem infarto do miocárdio sem dor. A diabetes compromete-se diferentes territórios vasculares e pode afetar as artérias dos membros inferiores. Também, pode afetar o rim e é causa de insuficiência renal", explicou o Rei.

Além disso, reconheceu que a doença macrovascular, isto é, quando as paredes dos vasos sanguíneos de médio e grande calibre são feitas duras e grossas, e é a causa mais importante de mortalidade em pacientes com Diabetes tipo 2.

"Neste sentido, é de fundamental importância tanto para o paciente diabético como para a população em geral, adquirir hábitos de vida mais saudáveis. Levar uma alimentação equilibrada, que permita manter o peso ideal, a prática regular de exercício aérobico (30 minutos diários ou 150 minutos por semana) e não fumar, diminuir a prevalência da doença e, aqueles que já a têm, facilita o seu tratamento", concluiu o especialista.

A chave da alimentação

A alimentação é a chave para uma vida saudável, em especial para um paciente que sofre de diabetes. Os vegetais e as verduras são aliados contra a diabetes

"O que come, o momento do dia em que o come e a quantidade que come, podem afetar os índices de glicose em seu corpo. É por isso que o paciente diabético deve ter uma dieta especial, que inclua uma lista de alimentos que pode consumir e de quem a evitar", afirmou a médica endocrinóloga Alejandra María Rodríguez Zía.

De acordo com a especialista, é necessário que suspenda o consumo de todos os tipos de farinhas refinadas de trigo, açúcar, arroz branco, batata e aveia. Você também deve remover o mel em qualquer de suas formas. Aponta para que incorpore carboidratos de absorção lenta, como o arroz integral, grãos de trigo integral e o grão de aveia.

"Se você come um prato de bolos, é melhor que esteja misturado com legumes de folhas verdes para que o estômago se promova um enlentecimiento da digestão de celulose e assim, a insulina sobe lentamente e não ocorrer a hipoglicemia. Com tudo, o ideal é descartar as massas e optar por um menu à base de carne, peixe, frango, vegetais verdes, vermelhos e alaranjados, ovos, produtos lácteos, frutas com casca e leguminosas (lentilha, grão-de-bico, feijões e ervilhas)", afirmou Rodríguez Zía.

Veja tabém pode utilizar suplementos como, por exemplo, o detox slim que é muito utilizado por pessoas diabéticas para ajudar a suprir a deficiência de alguns nutrientes. Dessa forma, este suplemento alimentar detox slim capsulas preço pode ser muito eficaz para os dibéticos que estejam com deficiência nutricional aguda.

Por outro lado, um paciente diabético tem que fazer um balanço entre o que se ingere e o que gasta, porque é fundamental para ele manter um peso e um índice de massa corporal normal.

A Federação Internacional de Diabetes, destacou este ano na importância de um bom pequeno-almoço para ajudar a controlar a diabetes. Médicos internacionais destacaram-se que tomar o pequeno-almoço é especialmente importante para as pessoas com diabetes que se encontram em tratamento com insulina, já que estar em jejum aumenta o risco de sofrer um episódio de hipoglicemia.

Um recente estudo realizado na Universidade de Chicago, Estados Unidos da américa, que comparou diferentes parâmetros associados ao controle do diabetes tipo 2, porém, achou que os pacientes que não value for money tinham um controle mais pobre de seus níveis de glicose no sangue do que aqueles que sim value for money. Não só tinham um índice de massa corporal mais elevado, mas que apresentavam níveis mais elevados de hemoglobina glucosilada, indicador dos valores de glicose nos últimos 3 meses.

Causas da diabetes

Está provado que as emoções afetam os níveis de glicose no sangue. Por isso, a diabetes originada pelas tensões nervosas e conflitos emocionais, é a chamada "diabetes emocional".

"A experiência com pacientes demonstra que, ainda que um diabético não tenha comido durante mais de 15 horas, você pode ter uma glicose no sangue acima do normal por ter passado uma situação de angústia, raiva ou ansiedade. Isso tem uma explicação hormonal muito clara: cada vez que nos colocamos nervosos sobe um neuroquímicas chamado adrenalina, e esta substância estimula diretamente a glândula supra-renal, aumentando o cortisol. Estas duas substâncias normalmente sobem o açúcar no sangue, tirando-a do fígado, e assim ocorrerá um quadro de hiperglicemia no diabetes", afirmou Rodriguez Zía.

"O exercício tem um efeito semelhante ao da insulina"

Convidado para participar do XIX Congresso Argentino de Diabetes, que se desenvolveu em Mar del Plata, de 6 a 8 de novembro, James Skinner, ex-presidente do American College of Sports Medicine, dos EUA, falou sobre o impacto da atividade física no tratamento e prevenção da diabetes tipo 2.

Diabetes Conrolada

Entre 1992 e 2004, realizou-se nos EUA um ambicioso estudo multicêntrico que pretendia compreender o papel dos genes na resposta cardiovascular e metabólica de uma pessoa em frente ao treinamento aeróbio, e as mudanças que produz o exercício sobre vários fatores de risco para os males cardiovasculares e a diabetes. Chamado de "HERITAGE Family Study", a pesquisa -que foi dividido em três grandes fases - ajudou a compreender, entre outras coisas, que existe uma resposta genética ao exercício e que esta é muito variável entre as pessoas.

diabetes

Um único furo pode nos dizer se sofremos de diabetes

"A prevalência de sobrepeso, de obesidade moderada e de obesidade severa tem aumentado muito durante os últimos 60 anos. Este aumento foi demasiado rápido para ser causado por fatores genéticos", disse Skinner.

"A maioria dos diabéticos do tipo 2 também são obesos. E se bem que existe uma predisposição genética para a obesidade, sabemos que mesmo com essa tendência, se a pessoa se mantém ativa diminui o risco de desenvolvê-la. Eu diria que na maioria dos países industrializados, a diabetes de tipo 2 deve-se ao estilo de vida e não a dos genes", explicou o professor emérito da Universidade de Indiana (EUA).

De acordo com o renomado especialista no estudo da relação entre a actividade física e a saúde, "o exercício, tanto de força como o aeróbico, tem no organismo um efeito semelhante ao da insulina, por exemplo, facilita a entrada de glicose nos tecidos. Por outro lado -acrescenta-, sabemos que a sensibilidade à insulina está associada com diferentes níveis de atividade física".

Claro que não só os doentes beneficiam com uma vida ativa. Estar em movimento produz mudanças favoráveis em lipídios, pressão arterial, da cognição, da qualidade de vida, melhora os problemas cardiovasculares e o desempenho físico, em geral.

"O exercício, tanto de força como o aeróbico, tem no organismo um efeito semelhante ao da insulina "

Compartilo

"Esses benefícios são importantes para todos, não só para as pessoas com diabetes tipo 2", disse Skinner, que recomenda que aqueles que permanecem sentados durante longos períodos de tempo por dia, que se levantem e movam durante vários minutos a cada hora para combater os efeitos negativos de estar inactivo. "O importante -insiste - se ter em conta que consegue fazer as coisas com moderação; não é necessário ser um atleta".

Skinner informou que, em pessoas com diabetes tipo 2, uma sessão de 60 minutos de exercício de intensidade moderada antes do café da manhã altera a glicemia pós-prandial (após a refeição).

"Muitos estudos têm demonstrado que uma única sessão de exercício aumenta a tolerância à glicose e da ação da insulina durante mais de 24 horas, mas menos de 72 horas. Assim, recomenda-se que os pacientes com diabetes tipo 2 se exercitem pelo menos meia hora 3 ou 4 dias por semana", aconselhou o especialista.

Instituto de Diagnóstico e Pesquisas Metabólicas (IDIM): irá realizar duas palestras gratuitas e abertas à comunidade sobre a síndrome metabólica e diabetes: uma se desenvolverá quinta-feira, 20 de novembro, às 17.30 em Liberdade, 836, CABA, a cargo do dr. Fabio Massari, e a outra quinta-feira, 27, às 18h30, em Amenábar 1945, a cargo do doutor Santiago Bruzone

Hospital Universitário Austral (HUA): hoje, os profissionais da (HUA) participarão dos festejos a ser realizada na praça 12 de outubro, entre as 9 e as 12:30, junto ao Centro Municipal de Educação, Prevenção e Assistência aos pacientes com Diabetes (CEPA) e o Hospital de Pilar. São realizados controles de glicemia, tensão arterial, peso corporal, fundo de olho, avaliação de pés e educação diabetológica mais de 500 pessoas. Sexta-feira, 21 de novembro serão realizadas as II Jornadas de Atualização em Diabetes destinadas a profissionais de saúde, onde tocarão temas como novas insulinas e tratamentos orais, abordagem do paciente em situações especiais (gravidez e internação) e doença cardiovascular e diabetes.



Escrito por redatora às 21h21
[envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]